Sessao encerramento sustec summer school 2022

O Município de Montalegre acolheu a sessão de encerramento da SusTEC Summer School – Sistemas Naturais do Barroso, tendo contado com a presença de vários membros do Governo, entre eles a Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Prof. Elvira Fortunato e a Ministra da Coesão Territorial, Dra. Ana Abrunhosa.

Recorde-se que a participação na escola de Verão em Sistemas Naturais do Barroso foi destinada a estudantes do ensino superior, interessados na investigação em áreas de montanha. Tratou-se de um marco de toda a estratégia de centro de investigação da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) com os 12 doc e três pós doc. Um conhecimento como base do desenvolvimento do futuro.

Para o Presidente da Câmara de Montalegre Orlando Alves, ”é sempre bom termos membros do Governo no concelho. Neste caso concreto, importante para terem a perceção de um grande projeto que alavanca todo o nosso desenvolvimento, com o envolvimento da ciência. É um projeto com o escopo do Património Agrícola Mundial e com o contributo da Câmara de Montalegre na intervenção urbanística que vai ser feita no Centro de Formação da Aldeia Nova. Esta ‘Escola de Verão’ funcionou no território ao longo desta semana. Tem tudo para ser um projeto mobilizador, que ajude a fixar os jovens. É este o caminho que temos de trilhar.”

Elvira Fortunato, Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, viu este projeto de uma forma muito positiva. ”É extremamente importante nós valorizarmos o que de melhor temos no país. Aqui encontramos um território com uma especificidade muito própria. Temos de valorizar e proteger aquilo que há aqui. Isto tem de ser feito com pessoas. Temos que ter aqui mais pessoas e com mais qualificações. Daí ser importante a existência do IPB (Instituto Politécnico de Bragança) e todo o excelente trabalho que aqui tem sido feito, com a ajuda da Ciência e da Tecnologia,” disse a Ministra

Ana Abrunhosa, Ministra da Coesão Territorial, salientou que
”Importante é preservar estas comunidades e que sejam, cada vez mais, sustentáveis. A partir do momento em que nós temos os parceiros corretos, com uma boa estratégia e um bom plano de ação, este é o momento ideal para encaminhar os fundos europeus para alimentar e dar viabilidade a estes projetos que são uma referência para o nosso Interior.”

in Alto Tâmega em Revista